AVSI COMUNICA /
Ednaldo Lima
Supervisor de Processos
Projeto Coelba


“Em abril de 1999, comecei o meu primeiro emprego. Eu era pesquisador social do projeto Coelba dentro na comunidade do Bairro da Paz, em Salvador, e hoje sou supervisor de processos. Entrar na AVSI foi um complemento educacional para mim. O meu trabalho fortaleceu todos os meus ensinamentos domésticos.

 

Aprendi a ser mais humilde, a ser mais humano. Coisas que meus pais me ensinaram, como honestidade, solidariedade e compaixão, o meu emprego reforçou e me ensinou ainda mais. Eu não seria o homem que sou hoje, se não tivesse os meus pais e a AVSI Brasil na minha história.

 

Eu só tenho a agradecer a AVSI e aos meus amigos. Porque eu fiz amigos de verdade aqui dentro.  Eles eram meus chefes, mas hoje são pessoas que convivem comigo fora do trabalho. É incrível. Eu agradeço a Ana Cristina Mascarenhas, agradeço a Graziela Figueredo, Ana Marinho, Perpétua Barbosa, Conceição Bonfim, Alexandro, Maria Celia, Amália Pita, Aline Jones. São tantos nomes, tantas pessoas importantes que eu quero agradecer. Pessoas que me inspiraram e inspiram até hoje.

 

Pessoas que estiveram comigo no meu pior momento. Em 2003, perdi minha mãe, e a AVSI me ajudou a superar e continuar buscando o meu melhor, que era o que ela desejava para mim. Lembro que Antônio Nilton, Rose Mary e Irlandia foram algumas das pessoas que mais me ajudaram. Eles me ligavam, se preocupavam e me motivavam. Eu preciso agradecer a eles por isso. Obrigado, amigos.

 

E também agradeço ao meu trabalho por me trazer experiências de vida. Lições que passarei para meu filho de cinco meses. Por exemplo, quando eu ainda estava no Bairro da Paz, fui visitar uma cliente. Seu nome era Maria Conceição. No meio da entrevista, pedi para sentar e ela disse que as cadeiras eram só de enfeites. Me sentei no chão. Em seguida, um de seus dois filhos pediu para almoçar. Ela ficou sem graça, mas levantou, estalou dois ovos, colocou farinha e dividiu para as crianças e ela. E ainda me ofereceu.

 

Como pode alguém que não tem quase nada, querer dividir? Então, entendi que não importa de onde a gente vem, temos que fazer o bem e ser generoso sempre. Passei por muita coisa, até abordado com arma por traficantes em uma comunidade, ou vivenciar um tiroteio e ficar o dia todo preso na casa da cliente. Mas nenhum desses episódios me fez desistir de fazer o bem.

 

Fiz faculdade motivado pelo meu emprego. Conquistei meu primeiro carro, minha casa própria e construi uma família. Sou um motivador hoje, porque me motivaram. Eu agradeço a Fabrizio Pellicelli e a Cesare Simioni por acreditarem em mim. Agradeço a Heli Mansur, outra pessoa que me deu muito apoio na minha jornada.

 

Enfim, acho que é isso: gratidão e orgulho. Porque agora eu motivo outras pessoas. Alguns fizeram parte da série, como Messias, Ubiraci, Cleidson. A AVSI e o Projeto COELBA me tornaram um homem melhor, um ser humano. E me sinto muito feliz em ser reconhecido, em fazer parte dessa equipe. Obrigado por me convidarem para série. Isso é um presente, reconhecer e oferecer oportunidade é a missão da AVSI. Obrigado.”

 

 

* A história de Ednaldo Lima é o encerramento da nossa série: O verdadeiro patrimônio da AVSI Brasil. Agradecemos a todos os colaboradores que dividiram conosco esses relatos preciosos e convidamos vocês a aguardar a segunda temporada!


Compartilhe
Imprimir ou enviar por e-mail

Mais Depoimentos

 






Sede: Salvador - Bahia - Brasil / 71 3555-3355 / salvador@avsi.org - Filiais e escritórios: Ceará, Goiânia, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte